post

Caçador de Tesouros na Alma Humana


Prezado Sonhador,

Este artigo é muito especial porque é fruto de 11 anos de dedicação a uma área que me apaixonei. Finalmente, amigos, que diziam que eu era louco por investir tanto tempo e tanto dinheiro em algo fora de minha carreira, vão entender os motivos da minha “louca” decisão. Além da formação em jornalismo, tinha duas pós pela ESPM, onde também fui professor entre 1996 e 2000. Quando cheguei aos EUA, mudei completamente o foco de estudos. Na época, a Disney me pagaria qualquer curso, menos Psicoterapia. Eu decidi, então, investir do meu próprio bolso num mestrado. Gostei tanto que entrei num doutorado. O vídeo é uma entrevista onde falo de um novo tipo de terapia (citada no artigo) que criei nos EUA (baseada em trabalho voluntário, totalmente gratuita) e quero torná-la mundial nas próximas décadas. Já penso até num pós-doutorado dedicado 100% a estudar essa minha nova teoria, com o intuito de torná-la mais científica. É uma sementinha hoje, mas a colheita é certa no futuro. Foi minha forma de gratidão a mais bela das profissões, a Psicoterapia. Espero que as estratégias que tenho usado há 11 anos para mudar minha vida radicalmente possam servir de inspiração para seus sonhos. Lembro-me como hoje que a maioria das pessoas tinham um argumento para eu não gastar tanto em psicoterapia. Eles achavam que não ganharia dinheiro. E eu sempre perguntava com um sorriso: e quem disse que eu vou fazer isso apenas por dinheiro? Eu sempre quis os dois: felicidade, primeiro, e dinheiro como consequência. E quem me conhece sabe que não posso me queixar de nenhum dos dois itens.

Caso esteja sem tempo agora de ler o artigo, fiz exclusivamente para você uma versão em vídeo com os “melhores momentos” do artigo. Fique a vontade para escolher. Sou grato a sua visita e espero seus valiosos comentários, além da honra de ter você registrado aqui no meu blog (lado esquerdo acima). Obrigado e boa leitura!

P.S. A música de fundo do vídeo do artigo é da trilha

sonora do meu filme Once Not Far From Home). 

Clique duas vezes sobre a imagem abaixo ou vá direto ao vídeo.

MEU FASCÍNIO PELA PSICOTERAPIA POSITIVA

Claudemir Oliveira

     Pensando em transcendência, foco do artigo no mês passado, lembrei de minha história com a psicoterapia. Quando cheguei aos Estados Unidos, em 2000, decidi mudar meu foco em educação que, até então, era voltada para carreira corporativa; queria encontrar uma nova área que pudesse, ao mesmo tempo, desenvolver meus negócios e ajudar mais as pessoas; acabei encontrando a psicoterapia e, em seguida, a Psicologia Positiva; até hoje, depois de ter terminado o mestrado e em fase adiantada do doutorado, meus amigos não entendem como mudei de foco tão radicalmente e investi tanto tempo e muito dinheiro.

     Desde a época da American Airlines, United Airlines e Disney, eu sempre lidei com vendas,
marketing e principalmente treinamento; já sabia de meu gosto por gente; só como professor da Disney University, e em treinamento global, treinei mais de 200.000, entre funcionários da empresa e agentes de viagens do mundo inteiro; sou eternamente grato a essas empresas que me deram a oportunidade de encontrar tantas pessoas.

Mudança de Foco

     Pois bem, qual seria meu próximo passo? Já que eu sempre gostei de gente, e pensando no
futuro, queria encontrar uma profissão onde pudesse entender ainda mais o que faz um ser humano sorrir ou chorar; queria encontrar uma área onde eu pudesse ajudar pessoas a sorrir mais. Veja que, inconscientemente, eu já tinha ideias concretas da Psicologia Positiva, mesmo antes de sua existência (1998); eu sempre busquei o lado bom das pessoas; quem trabalhou comigo sabe de minhas preocupações, no mundo corporativo, do foco constante nas fragilidades humanas.

     Aqui, entra uma segunda razão por minha escolha; eu queria implementar, nas empresas, todo o conhecimento que a psicoterapia me daria do ser humano; o que meus amigos não prestaram atenção é que, já em 2004, eu publiquei um artigo no mais conceituado jornal da American Counseling Association, chamado Counseling Today. Ali, eu lançava meus sonhos na área da psicoterapia e minhas visões para o futuro; foi escrito em inglês (Counseling as a business proposition),antes de eu terminar o mestrado pela Stetson University; anos depois, fiz
palestra, em São Francisco, na maior conferência de psicologia do mundo, a American Psychological Association, com o tema “Corporations need Psychotherapy”; nestes dois exemplos, eu plantava em definitivo minhas sementes de sonhos.

     Percebi claramente que psicoterapia era a única profissão que me daria condições de entender uma pessoa em sua profundidade; quando a porta de um consultório se fecha, um novo
mundo de possibilidades se abre; escutar a história completa de um ser humano é uma das mais fascinantes experiências que alguém pode ter.

Caçador de Tesouros

     O que dizer de uma profissão que tem o privilégio de ter alguém confidenciando seu maior
sofrimento, confiando plenamente que será respeitado e não será julgado? O que dizer de um momento em que alguém confia a você o que não teve coragem de contar nem para família? O que dizer de uma profissão que tem o potencial de ser luz para alguém que está no escuro? O que dizer de uma área que ajuda a montar a última peça do quebra-cabeça? Para cada dez peças, em geral, nove já estão montadas; o problema é que o sofrimento não nos permite enxergá-las. O que dizer de uma profissão que pode ajudar direcionar a rota do vento de alguém que vive como uma vela? O que falar de uma profissão que pode ser uma ponte entre o desespero e a esperança? Uma ponte entre a noite e o dia? O que dizer de uma profissão que sabe que as pessoas tem a maioria das respostas, apesar do sofrimento? E o mais importante, o que dizer de uma profissão que, com a Psicologia Positiva, tem o potencial de descobrir e resgatar muitas potencialidades
dormentes? Eu “escavo”, eu “garimpo” a terra do sofrimento até encontrar pedras preciosas que são usadas como remédio. A cura da dor, muitas vezes, está na própria dor. Como psicoterapeuta, sou um caçador de tesouros dentro da alma humana. Quer saber um dos segredos da psicoterapia? Escutar sem julgamento, pois, como dizia Wayne Dyer, “quando você julga os outros, não os define,define a si mesmo”. Também, para cada dedo apontado, existem três apontando de volta para nós mesmos.

     Como escritor, sou um caçador de tesouros perdidos nos dicionários. Procuro palavras como se elas fossem pedras preciosas e garimpo somente as melhores; uma palavra é uma pedra bruta; uma frase são pedras lapidadas; a frase tira a palavra do anonimato e lhe dá vida; um artigo, um livro, quando bem feito, é um tesouro quase completo.

Polindo ouro humano

     Existem milhões de pessoas em silêncio e quase ninguém, por falta de tempo, por falta de
interesse, quer ouvir seus problemas. O grande aprendizado como psicoterapeuta é que, através das angústias, descubro as potencialidades das pessoas; durante meu estágio trabalhando com drogados e ex-presidiários, era comum eu dizer diante de suas dificuldades: você já parou para pensar na fortaleza que você é? Você sabia que eu tenho muito orgulho de sua luta? Eles ficavam parados sem entender. Eu complementava dizendo que uma pessoa frágil já teria desistido de tudo se passassem por 10% do que eles estavam enfrentando. Aí, eles entendiam
minha mensagem; esboçavam um sorriso e me agradeciam; eu gosto de “polir” ouro humano. Eis aí meu fascínio pela Psicologia Positiva e porque a uso em tudo o que faço.

     O silêncio emocional é um gatilho para mais dor emocional e até física; quando a alma se
inibe, o corpo se exibe; quando as lágrimas se escondem, o corpo chora; por isso, muitas doenças são fotografias do estado emocional reprimido.

     Minha gratidão, minha retribuição para a sociedade e para uma das profissões mais belas do planeta é ter criado uma nova terapia que hoje é uma sementinha, mas que, junto com outros profissionais, será uma árvore frutífera nas próximas décadas. Chama-se “Pay it forward therapy”. Ao criá-la, pensei em pessoas que sofrem em silêncio por não ter como pagar uma consulta; a terapia é baseada em algumas horas de trabalho voluntário do psicoterapeuta e trabalho voluntário do cliente em locais como asilos, orfanatos, hospitais, etc. A caridade é um remédio orgânico plantado, colhido e replantado na alma. Eis minha semente de gratidão
à psicoterapia do futuro.  

     Para ser feliz, primeiro faça pessoas felizes. Para ter borboletas e passarinhos no seu quintal, primeiro construa um belo jardim. Obrigado por seu tempo e aqui estaremos nos próximos meses.

Anúncios

Comments

  1. Soraya Regadas says:

    Deus Obrigada por eu ter a oportunidade de ter encontrado esse ser humano:”Sem palavras”!!!!!!!!!!!Deixa eu sentir a emoção que esse texto me fez sentir.!!!!!!!!!!

  2. Claudemir,

    Gostei muito de conhecer a tragetória que percorreu para para alcançar os seus sonhos! Essa tragetória demonstra, foco, persistencia e paixão. Parabéns!

    • Yara,
      Eu nem sabia que coaching existia naquela época (risos), e se você analisar a fundo é puro coaching o que eu fiz… vi minha situação atual na época, vi onde qual era o meu estado desejado e parti para a ação… fortissimo abraços e mais uma vez, obrigado por seu tempo que sei que é precioso.
      Claudemir

  3. Sirlon Jorge Rocha Moraes says:

    Saudações Claudemir.

    Você sempre nos surpriendendo com seus textos fantásticos, ricos em experiências de vida e profissionalismo humano.
    Eu é que agradeço pelo seu tempo a mim dispensado.
    Esteja com Deus e na Paz de seu coração.
    Um grande amigo abraço.
    Sirlon Moraes – São Paulo / SP

  4. Claydson says:

    PARABENS E PARABENS!

    Sou fã de historias como a sua, DEUS te te formou para modelar corações.
    Continue sempre assim.
    DEUS abençoe..

  5. Márcia says:

    Olá Claudemir,
    Que bom que seguiu seus sonhos. Olha o trabalho bonito que eles geraram.
    Acredito que a melhor saída é sempre seguir aquilo que nos toca mais. Assim, nossos trabalhos são sempre melhores e fazem uma diferença maior no mundo.
    Achei sensacional a ideia do “pay it foward therapy”, demonstra muito respeito e amor pelos seres humanos.

    • Márcia, o segredo está no que você falou: fazer o que a gente gosta, ama… aquilo que nos toca… “Pay It Forward Therapy” é meu grande sonho e sei do potencial da ideia.
      Então, nos próximos anos dedicarei muito tempo a estudar o assunto para torná-lo científico… abraços e obrigado por sempre estar aqui.
      Claudemir

  6. Claudemir, passar boa parte da vida se dedicando a compreender o ser humano na sua totalidade, seus sentimentos e emoções, foi, realmente, uma escolha maravilhosa que você fez! A questão da confiança, então, meu amigo, não NADA neste mundo, dinheiro nenhum, que pague a confiança de alguém depositada em você!
    Você ser uma porta aberta na vida daqueles que mal conseguem enxergar um palmo à frente do próprio nariz… Ser capaz de mostrar que quando tudo parece perdido e acabado, está, na verdade, surgindo um novo começo… Curar feridas abertas na alma… mostrar que as respostas que alguém pode passar uma vida inteira procurando, estão, na verdade, dentro delas mesmas…
    Meu querido amigo, esse don, Deus, sabiamente, confiou a você! Ele lançou a semente em terra muito fértil e preciosa, que é o seu coração, você foi cuidando dela, regando com amor, adubando com dedicação, e hoje, esse dom cresceu, floresceu e deu frutos muito doces! E tenho certeza que terei a honra de ver a plantinha denominada “Pay It Forward Therapy”, com suas raízes firmes e fortes, florescendo e dando seus frutos preciosos no tempo certo!!!!!
    Parabéns pelo belissimo trabalho e lição de vida, Claudemir!!!!!!!
    Como eu sempre digo, Deus sempre sabe, com perfeição, para quem confia as missões mais especiais em cima dessa terra!
    Um beijo grande, com carinho…
    Tati

    • Tati,
      Amém para cada uma de suas palavras e que você receba em dobro tanta gentileza. Tenho certeza que a colheita de Pay It Forward Therapy vai ser farta porque é do bem… abraço e obrigado por sempre ler meus artigos.
      Claudemir

  7. Oi Claudemir, lembra de mim? Sua fã? rs A última vez que te vi pessoalmente foi no treinamento da Aviesp em Campinas, e hoje li esse texto e assisti o vídeo. Lembrei de um filme com essa teoria de fazer com que os pacientes façam um trabalho voluntário (A Corrente do Bem).
    Ultimamente não estava bem, e a minha terapia é ler seus artigos. Obrigada por fazer tão bem sem ver a quem…
    Fique com Deus, tudo de bom sempre!

Deixe seus comentários (sementes de sonhos). Quero aprender com você!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: